Posts recentes...clique...navegue...explore!

24.1.04

Israel, menino bonito.



Em dias em que somos afetados o tempo inteiro por maus tratos, indiferenças, rancores, incompetências e tantas outras inadimplências emocionais e sociais, devemos nos lembrar diariamente de exercitar o verbo amar com quem amamos. Amar e ser amado já é um privilégio; não devemos passar batidos por tamanha graça.

Ontem conheci Israel, um menino de rua de 10 anos que, inexplicavelmente, mesmo sem ter tido pai ou mãe, porque viveu em orfanatos; mesmo sem ter casa, nem cama quentinha, é absolutamente puro e doce.

Israel não gosta de pedir esmolas. Ele cata latinhas para vender e sobreviver.

Israel não gosta de viver nas ruas, mas não tem casa.

Israel voltaria a viver em uma Instituição, mas não confia na que estava.

Israel quer ajuda,mas não quer incomodar...

Como será que Israel conseguiu ser e permanecer tão desarmado com uma vida lhe aponta uma arma a cada instante?

Israel ainda tem amor no coração. Talvez a mãe de Israel o amasse, e tenha sido obrigada a deixá- lo (e não a abandoná-lo) em uma instituição de caridade; talvez ela fosse uma adolescente como ele é hoje; talvez, depois de 10 anos de pobreza e descaso absoluto de tudo ao seu redor, ela esteja morta. Mas talvez esteja viva, e pense no Israel todos os dias...

Quem sabe não é da lembrança deste amor, de útero, que Israel ainda sobreviva?

Quem sabe se que o faz viver é a esperança de reencontrar o conforto desse sentimento?

Ouvindo e vendo Israel fica absoluta e dolorosamente clara a dádiva que é estarmos perto de quem a gente ama.

E tantas vezes perdemos o foco, tantas vezes esquecemos de olhar o outro de uma maneira profunda e generosa.

Tantas vezes perdemos nosso tempo, cada vez mais precioso, com coisas, emoções perecíveis, atenções com prazo de validade. 

Quem tem quem ame e de quem receba amor: pais, filhos, irmãos, amigos, amores e até bichos, deve valorizar, agradecer e compartilhar.

Todos os dias.
Não por culpa.
Não por obrigação.
Por felicidade...
E sorte.

2004

23.1.04

Hoje é dia D



Hoje é dia de respirar,de viver.
Hoje é dia de pensar pouco, agir pouco e receber.
Hoje é dia de descansar, de parar de trabalhar e de resolver.
Hoje é dia de ser feliz sem a preocupação de querer ser.
Hoje é dia de esquecer o mundo e olhar apenas para dentro do meu planeta casa.

Hoje é dia dos meus filhos, do meu cachorro, das minhas bonecas, dos meu retratos.
Hoje é dia da minha paixão escondida.
Hoje é dia de sonhar e de elaborar fantasias.
Hoje não é dia de vida real, nem da realidade da vida.
Hoje é o dia do meu coração.




2004

22.1.04

Rush.




A vida está aí para nos atropelar todos os dias
Cabe a nós saber cruzar as ruas com cuidado
Para seguir nosso caminho em segurança
Sem ter que olhar para trás









2004

20.1.04

Saudade, saudade, saudade



Saudade
Do que ainda não tive.
Saudade de verdade
Daquela que a fantasia não abate.
Saudade de dizer, de ouvir, de tocar e de sentir
Daquele silêncio cheios de palavras.

Saudade de te ver
De te ter exclusivamente pra mim.
Saudade sozinha
Sem encontros marcados
Sem passagens compradas
Sem data no calendário
Sem você e sem mim.
Saudade
Saudade
Saudade.
Simplesmente
saudade.

2004